30/03/2023 às 08h50min - Atualizada em 30/03/2023 às 08h50min

Prefeitura de Cajamar determina intervenção na gestão do hospital municipal por 90 dias

Medida foi tomada após morte de bebê de 11 meses.

Da Redação - [email protected]
METRÓPOLE REGIONAL
Fachada do Hospital Municipal Enfermeiro Antonio Policarpo de Oliveira, o Regional em Cajamar — Foto: RP/Metrópole Regional

A Prefeitura de Cajamar, determinou na tarde da última quarta-feira (29) a intervenção do Hospital Municipal Enfermeiro Antonio Policarpo de Oliveira (Hospital Regional, pelo período inicial de 90 dias.

O hospital é administrado pela Organização Social de Saúde Diretrizes. A intervenção na gestão do hospital ocorre após a morte de um bebê de 11 meses, onde famíliares acusam a unidade por negligência médica. O período da intervenção pode ser prorrogado.

O Metrópole Regional procurou a OS para falar sobre a interdição do hospital, mas não conseguiu um posicionamento até a publicação desta reportagem.

Nos últimos meses, a Secretaria Municipal de Saúde apurou uma série de reclamações e de problemas relacionados ao atendimento aos pacientes. De acordo com a prefeitura, antes de determinar a intervenção, a Secretaria Municipal de Saúde tentou durante meses solucionar os problemas com a OS,  exigindo providências e até aplicando penalidades administrativas. No entanto, os problemas não foram sanados.

O Hospital Municipal Enfermeiro Antonio Policarpo de Oliveira é o único hospital da cidade credenciado pelo SUS para atendimentos de média e baixa complexidade nas quatro clínicas médicas (cirurgia, pediatria, ortopedia e obstetrícia). A unidade não tem recursos para atendimento de alta complexidade e os casos de emergência são encaminhados para hospitais de referência, entre eles o Hospital Estadual Prof. Carlos da Silva Lacaz, em Francisco Morato e o Hospital Estadual "Dr. Albano da Franca Rocha Sobrinho" em Franco da Rocha. Os dois hospitais de referências são do Governo do Estado e gerenciados por uma Organização Social. 

SINDICÂNCIA

 

O prefeito de Cajamar, Danilo Joan (PSD), utilizou as redes sociais, na noite da última terça-feira (28), para comunicar que abriu uma sindicância para investigar o atendimento prestado ao bebê Pedrinho, de 11 meses, que teve morte subita após passar por atendimento no hospital de Cajamar. O gestor também manifestou apoio à família da criança.

No vídeo, o prefeito explicou que está em andamento uma ampla investigação e que a médica e a enfermeira foram afastadas enquanto o caso será apurado. “Confesso que o dia de hoje é o mais triste para mim. Não sou médico e estou prefeito e todas as medida que cabem a mim, no caso do Pedrinho, serão tomadas. Hoje, já abrimos uma sindicância, estamos aguardando a perícia médica. A enfermeira e a médica que fizeram o atendimento foram afastadas”, iniciou o gestor.

Danilo Joan ainda declarou que antes de ser gestor público é um cidadão de Cajamar e que lutará para que a Justiça seja feita. “Antes de ser prefeito, eu também sou cidadão de Cajamar e também quero Justiça, esse é meu compromisso como cidadão. No que depender de mim, essa família vai sentir que a Justiça foi feita, pois ela será feita. Se a família precisar pode escolher qualquer advogado e como cidadão quero ajudar, pois se tiver que processar algum culpado, nós vamos fazer. O que nós queremos entender é se houve culpados. Quem é? Então, que essa pessoa seja punida e cumpra sua pena pelo que houve com o Pedrinho”, completou.

O CASO

Na quinta-feira (23), Pedrinho de 11 meses foi levado ao hospital de Cajamar com sintomas de virose. Após passar com o médico, a criança foi medicada e segundo a família, no sábado (25), ao receber a última dose do medicação, a criança começou a convulsionar,  fato que teria ocasionado uma parada cardiorrespiratória. O velório e sepultamento do bebê ocorreu na terça-feira (28).

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://metropoleregional.com.br/.